Saúde

Birra das crianças pode ser considerada um transtorno

A birra comum ocorre dos 8 meses aos 3 anos

A birra comum ocorre dos 8 meses aos 3 anos

Pixabay

Lidar com as birras é um desafio para os pais. Comportamento comum em uma fase do desenvolvimento das crianças – quando elas ainda são muito pequenas e não conseguem argumentar -, ela pode ser classificada como um transtorno quando o comportamento agressivo se torna desproporcional. Com base em sua experiência pessoal, a psicopedagoga Luciana Brites e o neurologista infantil Clay Brites escreveram o livro Crianças Desafiadoras (Gente), em que apontam a diferença entre birra e o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD) e discutem os papéis da família e da escola, além das formas de tratamento.

“A criança com TOD não consegue elaborar bem situações em que é contrariada e o quadro não se modifica com o tempo, como ocorre com a birra – ele tende a piorar. São necessárias medidas preventivas, psicoterápicas e medicamentosas”, explica Luciana. O casal é fundador do Instituto NeuroSaber, que compartilha informações sobre desenvolvimento, aprendizagem e comportamento na infância e na adolescência.

Clay é membro titular da Sociedade Brasileira de Pediatria, doutor em Ciências Médicas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Luciana, mestranda em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Mackenzie.

Os primeiros relatos sobre o transtorno datam dos anos 1980, mas só recentemente o TOD passou a ser estudado de forma mais profunda, mostra o livro. Os especialistas avaliam que quando mais cedo o diagnóstico for feito, menos problemas a criança e os familiares terão no futuro. Com o tratamento, que envolve terapia, medicamentos e ações da família – como evitar conflitos durante as crises -, é possível ter uma vida normal. Um exemplo é o filho do casal, de 16 anos, que tem o transtorno e assina o prefácio do livro.

Qual é diferença entre birra e TOD?

Clay: A birra é um comportamento normal da idade, uma forma de expressão por meio de um comportamento irritado, choroso, que pode envolver a atitude de se jogar no chão e se autoagredir. Ela ocorre dos 8 meses até uns 2 ou 3 anos, quando a criança não sabe reagir de forma madura em relação a uma frustração ou algo que ela é socialmente impedida. Nessa fase, ela não tem meios estruturados para discutir e argumentar com o adulto. Isso faz parte do desenvolvimento e da construção da linguagem. Já a criança com TOD não consegue elaborar bem situações em que é contrariada e o quadro não se modifica com o tempo (sem intervenção), como ocorre com a birra – ela tende a piorar. São necessárias medidas preventivas, psicoterápicas e medicamentosas.

Quais são os sinais de alerta no caso do TOD?

Clay: A reação emocional é extremamente exagerada. Eles chegam a quebrar objetos da casa, desestabilizar a família e a escola, porque as reações são desafiadoras. Chegam a tomar atitudes maldosas, usando palavras de baixo calão e fazendo chantagem emocional. Isso dos 3, 4 anos até os 8, 9 anos, que é uma fase em que as demais crianças já têm o pleno entendimento do não e das frustrações.

Quais são as causas do TOD?

Clay: Há fatores genéticos e do ambiente, como quando a criança não tem uma rotina de disciplina ou que não foi ensinada a se frustrar. Há quatro tipos de pais: os negligentes, os permissivos e os autoritários, que não dão suporte emocional para as crianças, e os autoritativos, que conseguem equilibrar, na hora de dar um comando, a compreensão do sofrimento da crianças e as formas de dar disciplina e limites sem humilhar nem ser permissivo. Os três primeiros são extremistas e, se têm um filho com predisposição, podem intensificar o quadro. Também é importante lembrar que nem sempre o transtorno aparece em uma criança típica, ele vem com outras condições, como o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) ou outros transtornos, como autismo e transtorno bipolar. É importante que todo profissional avalie a possibilidade de a criança ter esses transtornos.

O livro fala que as referências ao TOD são recentes, com os primeiros relatos na década de 1980 e com mais informações sobre o diagnóstico em 2013, após a publicação da 5ª edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.

O que já se sabe sobre o TOD e sobre o tratamento dessa condição?

Clay: É muito recente. Só dos anos 2000 para cá as pesquisas mostram que o cérebro (da criança com TOD) funciona de forma diferente. As pesquisas indicam que o cérebro de quem tem TOD apresenta uma instabilidade nas áreas de autorregulação emocional para cumprir atividades que não são do seu desejo e o indivíduo acaba tendo desequilíbrios, levando a comportamento disruptivo. De 40% a 50% dos pacientes precisam ser medicados, porque os pais já estão em situação de estafa, têm dificuldade de se expressar como autoridades e, se não medicar, eles não conseguem voltar à ordem natural das coisas. A medicação ajuda a melhorar a flexibilidade emocional frente às primeiras intervenções comportamentais.

E quais são essas intervenções comportamentais?

Clay: O indivíduo opositor tem duas características: quer sempre estar no mesmo nível que a autoridade, ou seja, não quer conviver de forma subserviente, e quer dirigir os rumos da casa e da escola. A segunda é que tem muita dificuldade de entender que a obediência traz mais benefícios do que a desobediência. Como lidar? Na hora da crise de raiva, os pais não devem conversar nem discutir, porque a criança está impermeável a qualquer palavra que é dita a ela. Tem de dar tempo para ela se acalmar. Respeitar o tempo para se decepcionar e ter raiva e manter o que foi ordenado. Com isso, ela vai vendo que não adianta ter as reações explosivas. Com isso, vai ver que as crises de raiva não vão ter resultado. Como a pessoa com TOD tende a ter essas atitudes difíceis, os pais têm de falar a mesma língua. Se um fala não, o resto da família também precisa falar não. É importante não florear argumentos. Tem de ser direto, objetivo, claro e sem dar espaço para contra-argumentações opositoras. O conjunto de todas as terapias que estão direcionadas para o TOD e as terapias comportamentais de manejo parental têm eficácia de 80% para melhorar os sintomas.

É possível estimar a população que tem o transtorno? Ocorre mais entre meninos ou meninas?

Clay: Estima-se que 1% a 11% da população mundial tenha o transtorno. Até a adolescência, é mais comum entre meninos. Depois, empata. Mas o comportamento das meninas é diferente. Enquanto o menino é mais agressivo, a menina manipula nos bastidores. Ela é mais estratégica e resiliente às avessas. Por isso, é preciso evitar chegar (sem acompanhamento) na adolescência. É muito mais fácil intervir antes dessa fase, porque os jovens são naturalmente opositores. O transtorno aumenta o risco de delinquência, de envolvimento com más companhias, de uso de drogas e fugas de casa. Se for feito um trabalho até os 9, 10 anos, evita-se que essas situações venham a acontecer.

Alguns pais podem ficar assustados ao ler sobre o TOD. O que é possível dizer para tranquilizá-los caso tenham um filho diagnosticado com essa condição?

Clay: O TOD sempre começa dentro de casa, não é algo que vai ter na escola e não vai se manifestar em outros ambientes. Então, fica mais fácil identificar. Os tratamentos são muito eficazes, tanto a medicação que vai melhorar a autorregulação emocional, como antipsicóticos e estabilizadores de humor, quanto as terapias comportamentais. Se os pais forem atentos e tiverem um bom convívio, íntimo e conhecendo os filhos, vão saber conduzir de forma ponderada, mas sem perder a firmeza baseada em disciplina e autoridade.

Como os pais de uma criança com TOD devem abordar o tema com a escola?

Luciana: Todos nós somos parceiros para o bem comum das crianças e não existe um desenvolvimento integral sem a parceria entre família e escola. Os pais devem falar o que o filho tem, as questões de medicação e terapia, indicar bibliografia para a escola. O professor deve agir na escola como os pais agem em casa.

Como a escola pode colaborar no processo?

Luciana: No ambiente escolar, é importante conhecer o transtorno porque muitos conceitos que a gente usa com as escolas têm de ser usados de forma diferente. As crianças com esse tipo de transtorno não aprendem com o erro. Tem de ter um planejamento que não leve a criança a errar e não é por ser mimado, mas porque é um indivíduo que não consegue se autorregular. O trabalho tem de ter poucas etapas, conceitos mais curtos, recompensas e regras positivas, como ensinar a respeitar os amigos e não dizer que “não pode bater no amigo”.

Por que vocês resolveram escrever o livro?

Clay: O primeiro motivo foi o desconhecimento. Estamos passando por uma era em que os pais estão perdidos para educar e enveredam para os piores caminhos. Além disso, o comportamento opositivo pode ser o primeiro sinal de autismo. Identificar o TOD é uma forma de identificar autismo e o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

Luciana: Nosso filho do meio, de 16 anos, tem o TOD. Ele tem TDAH e, por volta dos 3 anos, teve uma crise muito grande. Nunca colocamos panos quentes na situação. Ele estava se prejudicando por não socializar e estava perdendo coisas por causa das birras tratado com muita naturalidade. Ele quer estudar Economia e, embora seja muito tímido, escreveu o prefácio do livro. Ele viu como uma forma de divulgar o tema e de gerar empatia.

Fonte: Saúde R7

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

You may also like

Leia MAis

Lilly ford escort Romantix los angeles, ca Oriental spa grand forks nd Backpage georgetown tx
Altoona pa hookers Greenville sc headhunters Local escort girls
Blackpages dallas Escort krypton
Mishawaka escorts Backpage miami male escorts Stage dolls new jersey
Bottoms up gentlemens club Putas en long island ny
Stateline arcade el paso 3109181090 Toronto erotic review
6125169009 Sex clubs in michigan Adult entertainment fort myers
Asian massage spa, fort lauderdale florida Arlington backpage tx
Call girls glen allen Massage happy ending in san jose
Couples adult novelties leominster, ma Eros minn Newtime massage Chico personals
Hilton new brunswick canada Rubmaps encino Seattle escort backpage
Www.pornhub.com mobile Phoenix incall massage Shemales in grand rapids
7 479 995 308 Gentlemen clubs in tampa
Find someone to fuck near me 3106929165 Black transexual pictures Swingers clubs in texas
Winston salem milf Richardson massage
Back page billings mt Saginaw michigan backpage Massage 49
Oklahoma city rub Salem,oregon backpage 7028450878
Topless cabaret Escorts in jacksonville, fl
Long island ny escort Club xtra ft.lauderdale
Tex mex gentlemens club 3102923793
Trany dating Sex massage xuhui 2019 Mexico scorts
Escort praxilla out of the shrine Paradise fountain syracuse ny Dominatrix girlfriend
Massage parlor in atlanta Best sexy ass
Gfe escort nnj Ford escort mark 2 Massage green utica
Escort at singapore price Seattle escort sites Live escorts tampa
Sexi tijuana com Chattanooga independent escort Backpage floresville tx
Bath house fort lauderdale fl Sex shop u street washington dc Swingers clubs reno nv Ebony tranny list
Club dallas bath house Strip clubs in hammond la
Greenville ms classifieds Brownsville texas escorts Asian massage green bay Backpage central
Ithaca backpages Asian massage springfield va Sex massage room
Prostate milking san diego Black page oc Dinah mite Backpage com south bend
Massage in brainerd mn 12" in asian pussy
Backpage fort lauderdale com Trannys in houston Craiglist clovis nm Gilroy massage
Canton backpage massage Adult search new orleans Lingerie concord Chicago exclusive escorts
Naughty asian massage Blonde bbw
Listcrawler myrtle beach Sensual massage wisconsin Escorts in waco tx
Mcdonalds keeaumoku Speacia Macau escort
Adult stores with glory holes Carmen ts Backpage freehold
Alligator alley 247 Sakura massage san diego Atlanta escort female
Pussy for girls Gay bath san antonio Seattle gay escort Malibu san antonio tx
Pocatello escorts New delhi strip club
Hilton san marcos tx Escorts in st pete fl 7796012298 Massage tri cities tn
Cityxguuide Barrie personals
Williamsburg va escorts 3007 s dairy ashford houston tx Wet n wild specials Nyc backpage massage
Escort dating services Cherry girl escorts Vanitymariexo Mnl courtesans
Escort reviews san jose Onebackpage
Renton wa escorts Craiglist bellingham Sex massage india 2019
Call girls wichita ks Juneau empire classified ads Chubby aunt sex massage
Fbsm houston Uu massage White pages denver metro
Gastonia classifieds Onlyfans ts
Sexy older japanese women Gay massage south florida
Tantra massage new york Backpage ts denver
Hot black escort northern Stateline showgirls post falls id
Hicksville massage Masajes san diego california
Big girls little pussy Women getting erotic massage
Llebar Idaho escort Www.columbusbackpage.com