Notícias

Liberada para quem? Pacientes comemoram liberação da Cannabis, mas temem preço

A cada doze horas, o pequeno Kalebh Kaiodê, de 3 anos, deve tomar cinco gotinhas de um óleo chamado Esperança. É justamente nessa fórmula, que inclui canabidiol e tetra-hidrocanabinol – dois derivados da Cannabis, a planta da maconha – que repousam as esperanças da mãe dele, a autônoma Joseane Oliveira, 36 anos. Mas, em junho passado, o sentimento que tomou conta de Joseane foi desespero.

Em abril, ela havia levado o filho a um neurologista que lhe receitou o óleo de Cannabis para tratamento da microcefalia, paralisia cerebral e epilepsia refratária de difícil controle. Joseane investiu 350 dólares, mas uma atravessadora lhe vendeu azeite. “Meu filho pegou uma infecção, teve uma crise convulsiva de 40 minutos, quase morreu. Não gosto nem de lembrar”, conta.

Joseane e Kalebh, na verdade, não são os únicos expostos a situações desse tipo. Na Bahia, de acordo com Leandro Stelitano, fundador e presidente da Associação para Pesquisa e Desenvolvimento da Cannabis Medicinal no Brasil (Cannab), apenas 1% das cerca de 300 pessoas cadastradas na associação conseguem comprar de maneira lícita:

“Muita gente acaba recorrendo ao mercado negro”, diz Stelitano.

É que o óleo, usado para o tratamento de doenças como epilepsia, microcefalia, dor crônica, esclerose múltipla, Parkinson, fibromialgia e até câncer, custa caro – importado, com os impostos, cerca de R$ 2 mil por um frasco. “Como não tem uma produção brasileira, com a venda nas farmácias, digamos que o preço vá chegar a R$ 1,5 mil. Vai continuar difícil”, aponta a psiquiatra Eliane Nunes, diretora geral da Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis (Sbec).

Para ela, pelo menos 10 milhões de pessoas no Brasil podem se beneficiar com o uso dos produtos derivados da Cannabis, mas, até o início desta semana, apenas uma associação em todo o país podia plantar, produzir e revender o óleo: a Abrace Esperança, na Paraíba. E ela não dá conta de suprir a demanda.

Desde o dia 3, no entanto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a venda de produtos derivados da Cannabis em farmácias do Brasil, bem como a produção do óleo no país, num prazo de 90 dias. O que segue proibido, no entanto, é o plantio.

CONHEÇA O ESPECIAL DO CORREIO FILA DA CANNABIS

Primeiro Passo
Para Leandro Stelitano, a decisão da Anvisa é um primeiro passo. “Foi importante porque a regulamentação antes dessa decisão da Anvisa só permitia quem tinha poder aquisitivo de importar o medicamento. No nosso entendimento, foi uma solução paliativa. Facilita, mas os remédios ainda vão continuar a chegar aqui no Brasil com alto custo”, avalia.

Joseane, que finalmente conseguiu comprar o óleo para o filho e agora aguarda a entrega pelos Correios, também considera a decisão importante, mas não acredita que ela vá impactar no preço do produto.

“Só vai começar a vigorar daqui a 90 dias e a vida não espera, terei que recorrer a um importado até lá”, afirma a mãe, que precisou deixar o emprego e hoje vende balas e bebidas em casa.

Na prática, sem poder plantar no Brasil, os interessados em produzir ainda terão que importar o insumo. Mesmo assim, Joseane reconhece que a comodidade de encontrar o medicamento na farmácia já traz alívio – a espera para chegar pelos Correios é de 20 dias, se não houver greves nem desastres naturais.

Qualidade de vida
Hoje, Kalebh Kaiodê usa quatro medicamentos e praticamente não há resultados no controle das convulsões – por isso, as esperanças de Joseane estão no óleo. “Meu filho nos traz muitas alegrias. Só o sorriso dele quando volta de uma crise deixa meu coração cheio de alegria”, conta. O óleo de Cannabis atua justamente nas convulsões. Segundo um estudo do pesquisador Orrin Devinsky, publicado no New England Journal of Medicine, o produto consegue reduzir em até 39% as convulsões de epilepsia em casos graves. 

O canabidiol, que não tem efeitos psicotrópicos e atua no sistema nervoso, tem melhorado a qualidade de vida de pacientes como a economista Dailza Almeida Mendes, 57. Ela começou a usar o óleo há dois meses para tratar de dores crônicas. A receita foi assinada pelo mesmo médico de Kalebh, o neurologista Antônio Andrade, do Instituto do Cérebro e professor da Ufba.

“Eu tinha crises de enxaqueca constantes, a ponto de me levarem para emergência de hospital, tomar aquelas medicações todas, sofria muito. Quando eu comecei a usar o óleo, na primeira semana eu já senti uma melhora, hoje minha qualidade de vida melhorou 70%”, conta Dailza.

Mas, comprar também não foi fácil. “Nem todo mundo tem poder aquisitivo, eu precisei abdicar de algumas coisas para conseguir comprar porque o preço é incompatível com a minha renda”, afirma.

Os resultados, no entanto, valem muito a luta, defende:

“Foram janelas que se abriram para mim, porque eu já não tinha mais esperança de tantos tratamentos que eu já tinha feito com a medicina convencional”, conta Dailza.

Em países como Portugal e Estados Unidos, plantio medicinal é legalziado
(Foto: Patricia de Melo Moreira/AFP)

Plantio
Enquanto aguarda pela chegada do medicamento para Kalebh, Joseane luta na justiça pelo direito de plantar e fabricar o próprio óleo. Isso sim, defendem os pacientes e as associações, faria uma grande diferença no preço final.

No Brasil, de acordo com Leandro Stelitano, 52 famílias conquistaram na justiça o direito ao plantio para produção do óleo. Na Bahia, são seis.

“Quando a pessoa entra na justiça, ela pede para produzir e plantar em casa ou pede que o Estado e custeie a medicação importada. Os juízes têm dado como causa ganha”, explica. Na Bahia, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) fornece medicamentos à base de canabidiol para 16 pacientes.

O Tribunal de Justiça da Bahia informou que não era possível levantar as ações especificamente sobre Cannabis. 

A Associação Cannab também luta na justiça para poder produzir e vender o óleo. Mas, a decisão sobre autorizar ou não o plantio não cabe à Anvisa e sim ao Congresso Nacional. Segundo o relator, Antônio Barra, cabe à Agência deliberar sobre insumos prontos. Tratar do plantio seria uma “exorbitação de competência”.

Apesar da negativa, a Schoenmaker Humako, do grupo Terra Viva, conquistou no dia 3 o direito de plantar.

Que doenças podem ser tratadas com produtos derivados da Cannabis?

  • Epilepsia refratária de difícil controle
  • Transtorno do Espectro do Austismo (TEA)
  • Mal de Alzheimer
  • Esclerose múltipla e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)
  • Mal de Parkinson
  • Diabetes
  • Síndrome congênita do Zika Vírus (Microcefalia)
  • Dor crônica
  • Fibromialgia
  • Câncer
  • Aids
  • Ansiedade, depressão e insônia

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

You may also like

Leia MAis

Lilly ford escort Romantix los angeles, ca Oriental spa grand forks nd Backpage georgetown tx
Altoona pa hookers Greenville sc headhunters Local escort girls
Blackpages dallas Escort krypton
Mishawaka escorts Backpage miami male escorts Stage dolls new jersey
Bottoms up gentlemens club Putas en long island ny
Stateline arcade el paso 3109181090 Toronto erotic review
6125169009 Sex clubs in michigan Adult entertainment fort myers
Asian massage spa, fort lauderdale florida Arlington backpage tx
Call girls glen allen Massage happy ending in san jose
Couples adult novelties leominster, ma Eros minn Newtime massage Chico personals
Hilton new brunswick canada Rubmaps encino Seattle escort backpage
Www.pornhub.com mobile Phoenix incall massage Shemales in grand rapids
7 479 995 308 Gentlemen clubs in tampa
Find someone to fuck near me 3106929165 Black transexual pictures Swingers clubs in texas
Winston salem milf Richardson massage
Back page billings mt Saginaw michigan backpage Massage 49
Oklahoma city rub Salem,oregon backpage 7028450878
Topless cabaret Escorts in jacksonville, fl
Long island ny escort Club xtra ft.lauderdale
Tex mex gentlemens club 3102923793
Trany dating Sex massage xuhui 2019 Mexico scorts
Escort praxilla out of the shrine Paradise fountain syracuse ny Dominatrix girlfriend
Massage parlor in atlanta Best sexy ass
Gfe escort nnj Ford escort mark 2 Massage green utica
Escort at singapore price Seattle escort sites Live escorts tampa
Sexi tijuana com Chattanooga independent escort Backpage floresville tx
Bath house fort lauderdale fl Sex shop u street washington dc Swingers clubs reno nv Ebony tranny list
Club dallas bath house Strip clubs in hammond la
Greenville ms classifieds Brownsville texas escorts Asian massage green bay Backpage central
Ithaca backpages Asian massage springfield va Sex massage room
Prostate milking san diego Black page oc Dinah mite Backpage com south bend
Massage in brainerd mn 12" in asian pussy
Backpage fort lauderdale com Trannys in houston Craiglist clovis nm Gilroy massage
Canton backpage massage Adult search new orleans Lingerie concord Chicago exclusive escorts
Naughty asian massage Blonde bbw
Listcrawler myrtle beach Sensual massage wisconsin Escorts in waco tx
Mcdonalds keeaumoku Speacia Macau escort
Adult stores with glory holes Carmen ts Backpage freehold
Alligator alley 247 Sakura massage san diego Atlanta escort female
Pussy for girls Gay bath san antonio Seattle gay escort Malibu san antonio tx
Pocatello escorts New delhi strip club
Hilton san marcos tx Escorts in st pete fl 7796012298 Massage tri cities tn
Cityxguuide Barrie personals
Williamsburg va escorts 3007 s dairy ashford houston tx Wet n wild specials Nyc backpage massage
Escort dating services Cherry girl escorts Vanitymariexo Mnl courtesans
Escort reviews san jose Onebackpage
Renton wa escorts Craiglist bellingham Sex massage india 2019
Call girls wichita ks Juneau empire classified ads Chubby aunt sex massage
Fbsm houston Uu massage White pages denver metro
Gastonia classifieds Onlyfans ts
Sexy older japanese women Gay massage south florida
Tantra massage new york Backpage ts denver
Hot black escort northern Stateline showgirls post falls id
Hicksville massage Masajes san diego california
Big girls little pussy Women getting erotic massage
Llebar Idaho escort Www.columbusbackpage.com