Notícias

Baile funk de Paraisópolis reúne 5.000 e movimenta o comércio do bairro

O baile funk onde morreram nove pessoas pisoteadas nesta madrugada (1º), mais conhecido pela sigla “DZ7”, é um dos maiores de São Paulo e reúne entre 3.000 e 5.000 pessoas – incluindo gente de municípios vizinhos – por dia ao longo da rua Ernest Renan, em Paraisópolis, e em seu entorno.

O baile, que começa à noite e continua até a manhã do dia seguinte, funciona com iniciativas descentralizadas – carros e caixas de som, comerciantes e aglomerações de pessoas ao longo das ruas.  Diferentemente dos maiores bailes do Rio de Janeiro, o DZ7 não tem um organizador nem apresentações de DJs ou MCs.

Sábado é o dia principal de festa, mas o DZ7 acontece todas as semanas, de quinta a domingo.

O baile era conhecido como um dos poucos bailes funk da cidade em que a Polícia Militar não costumava ser tão incisiva, mas a situação mudou nos últimos três a quatro meses, segundo frequentadores.

A reportagem entrou em contato com uma frequentadora, um dono de bar e uma pessoa que coloca músicas nos bailes. As identidades foram preservadas por motivos de segurança.

Eles dizem que as ações da polícia para interromper a festa na rua estão acontecendo quase todo fim de semana. O público continua indo, mas agora muitos estão com medo da violência.

Uma frequentadora diz que as pessoas vão mesmo assim porque o baile é a única diversão da favela. “É gente que não têm condição de pagar uma balada”, diz.

Um comerciante local também reclama das ações da polícia e que sem o baile, não entra tanto dinheiro na favela, já que grande parte do público que consome bebida, comida, estacionamento e outros serviços no local vem de fora do bairro, da cidade e até do estado.

Com a ascensão da festa, novos bares foram abertos nas redondezas. Em contrapartida, as casas próximas passaram a ter um preço desvalorizado, por causa do barulho, em relação àquelas mais afastadas.

Outro frequentador disse que a ação da madrugada deste domingo (1º) foi mais violenta do que o de costume, algo que vem sendo recorrente nos últimos meses. “Eles chegam jogando bomba de gás e dando tiro de bala de borracha.”

“A polícia está com uma ação de matar mesmo”, diz Felipe Santos, 17, morador e estudante de ensino médio. “Eles já chegaram tacando bomba. Fechei a janela porque passou bem perto. Desceram da viatura e foram pro beco da 17. Deixaram as armas na viatura, pegaram o cacete e foram batendo no pessoal. Depois disso, foram descendo pela viela. Trombaram eles na saída. Passou um tempo o baile foi voltando aos poucos”.

Os frequentadores do baile da DZ7 entrevistados disseram que a versão da Polícia Militar – de que o tumulto começou quando uma moto passou atirando nos policiais – não é verdadeira. “Ninguém viu isso”, diz um deles, que estava na rua principal do baile quando a confusão começou.

Nos últimos bailes, as estruturas de som conhecidas como “paredões” não estão mais tão presentes. Com a polícia desde cedo na favela, os carros de som também pararam de chegar no baile.

Alexandre Cabral, fundador Becei, biblioteca comunitária criada há mais de 20 anos, cita Gabriel García Márquez para falar sobre tragédia. “É como o título daquele livro ‘Crônicas de uma Morte Anunciada”.

“Sou totalmente contra os bailes. Só o poder público pode acabar, mas precisa de alternativas. A molecada não tem onde se divertir. Não é só jogar a polícia contra os meninos”, ressalta. “A polícia vem durante o dia e à noite. Jogam rojões. Os jovens saem correndo e atropelam uns aos outros”, diz Cabral.

“A prefeitura poderia criar galpões, promover shows lá. Quem sabe a secretaria da Cultura poderia ver isso. Talvez as escolas abrirem aos fins de semana”, diz ele, que reclama do barulho e bagunça gerados pelas festas de quinta-feira a domingo. “Isso não vai acabar, até morrer o dobro, o triplo de pessoas. Daí sim tomarem providências”.

Neste domingo, jovens ligados à cena cultural na comunidade se reuniram para debater sobre o assunto e buscar alternativas.

“Queremos unir outros coletivos e vamos fazer uma marcha no próximo dia 14, saindo de Paraisópolis em direção ao Palácio dos Bandeirantes. Estamos ainda definindo as coisas, como rotas e horário”, afirma Gloria Maria, 20, moradora da comunidade que integra dois coletivos culturais, o Batalha do Paraisópolis e o Anarcoletiva.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

You may also like

Leia MAis

Lilly ford escort Romantix los angeles, ca Oriental spa grand forks nd Backpage georgetown tx
Altoona pa hookers Greenville sc headhunters Local escort girls
Blackpages dallas Escort krypton
Mishawaka escorts Backpage miami male escorts Stage dolls new jersey
Bottoms up gentlemens club Putas en long island ny
Stateline arcade el paso 3109181090 Toronto erotic review
6125169009 Sex clubs in michigan Adult entertainment fort myers
Asian massage spa, fort lauderdale florida Arlington backpage tx
Call girls glen allen Massage happy ending in san jose
Couples adult novelties leominster, ma Eros minn Newtime massage Chico personals
Hilton new brunswick canada Rubmaps encino Seattle escort backpage
Www.pornhub.com mobile Phoenix incall massage Shemales in grand rapids
7 479 995 308 Gentlemen clubs in tampa
Find someone to fuck near me 3106929165 Black transexual pictures Swingers clubs in texas
Winston salem milf Richardson massage
Back page billings mt Saginaw michigan backpage Massage 49
Oklahoma city rub Salem,oregon backpage 7028450878
Topless cabaret Escorts in jacksonville, fl
Long island ny escort Club xtra ft.lauderdale
Tex mex gentlemens club 3102923793
Trany dating Sex massage xuhui 2019 Mexico scorts
Escort praxilla out of the shrine Paradise fountain syracuse ny Dominatrix girlfriend
Massage parlor in atlanta Best sexy ass
Gfe escort nnj Ford escort mark 2 Massage green utica
Escort at singapore price Seattle escort sites Live escorts tampa
Sexi tijuana com Chattanooga independent escort Backpage floresville tx
Bath house fort lauderdale fl Sex shop u street washington dc Swingers clubs reno nv Ebony tranny list
Club dallas bath house Strip clubs in hammond la
Greenville ms classifieds Brownsville texas escorts Asian massage green bay Backpage central
Ithaca backpages Asian massage springfield va Sex massage room
Prostate milking san diego Black page oc Dinah mite Backpage com south bend
Massage in brainerd mn 12" in asian pussy
Backpage fort lauderdale com Trannys in houston Craiglist clovis nm Gilroy massage
Canton backpage massage Adult search new orleans Lingerie concord Chicago exclusive escorts
Naughty asian massage Blonde bbw
Listcrawler myrtle beach Sensual massage wisconsin Escorts in waco tx
Mcdonalds keeaumoku Speacia Macau escort
Adult stores with glory holes Carmen ts Backpage freehold
Alligator alley 247 Sakura massage san diego Atlanta escort female
Pussy for girls Gay bath san antonio Seattle gay escort Malibu san antonio tx
Pocatello escorts New delhi strip club
Hilton san marcos tx Escorts in st pete fl 7796012298 Massage tri cities tn
Cityxguuide Barrie personals
Williamsburg va escorts 3007 s dairy ashford houston tx Wet n wild specials Nyc backpage massage
Escort dating services Cherry girl escorts Vanitymariexo Mnl courtesans
Escort reviews san jose Onebackpage
Renton wa escorts Craiglist bellingham Sex massage india 2019
Call girls wichita ks Juneau empire classified ads Chubby aunt sex massage
Fbsm houston Uu massage White pages denver metro
Gastonia classifieds Onlyfans ts
Sexy older japanese women Gay massage south florida
Tantra massage new york Backpage ts denver
Hot black escort northern Stateline showgirls post falls id
Hicksville massage Masajes san diego california
Big girls little pussy Women getting erotic massage
Llebar Idaho escort Www.columbusbackpage.com